Câmara de Vereadores aprova projeto para solucionar cratera da Macrodrenagem em Vilhena

por Hayslla Mikaella do Couto publicado 21/06/2017 13h56, última modificação 21/06/2017 13h56
Vereadores também autorizaram o uso de aproximadamente de R$ 4,5 milhões, após dispensar as discussões, visando o bom andamento da gestão municipal
A Câmara de Vereadores de Vilhena realizou a 15º sessão ordinária na noite desta terça-feira, 20 de junho. No auditório estiveram presentes familiares do secretário estadual de Agricultura Evandro Padovani e do Coronel Rildo José Flores. 
Padovani recebeu uma moção de aplauso de autoria do vereador Adilson e o Coronel Rildo representou o 3º Batalhão de Polícia Militar de Vilhena que também foi agraciado com a moção de autoria do vereador Suchi.
Na sessão foram deliberados e aprovados, de forma unânime, os requerimentos nº 059/2017 e 060/2017. O requerimento do vereador Célio Batista requer à prefeita que informe a quantidade de alunos matriculados em cada escola municipal. O outro requerimento de autoria do vereador França Silva requer à prefeita que informe qual foi a empresa ganhadora da licitação referente à compra de cascalho, especificando os valores, a quantidade de cascalho em estoque, bem como o utilizado nos meses de janeiro a maio de 2017.
Os vereadores também aprovaram a dispensa de discussões dos Projetos de Lei de autoria do Poder Executivo nº 5.095/2017, 5.107/2017, 5.108/2017, 5.109/2017, 5.110/2017, 5.113/2017 e 5.116/2017 para dar celeridade ao uso de aproximadamente R$ 4,5 milhões no intuito de beneficiar a população vilhenense.
Em destaque, o Projeto de Lei nº 5.116/2017 que autoriza a abertura de crédito adicional suplementar no valor de R$ 2.219.250,58 no vigente Orçamento-Programa destinado à SEMOSP para complementar a execução do sistema de macrodrenagem no Projeto Drenagem Urbana Sustentável firmado com o Governo Federal. A verba será usada para resolver o problema da erosão no final da Av. Curitiba que ameaça engolir residências de cidadãos vilhenenses.
A prefeitura de Vilhena decidiu dar andamento na obra após pressão dos vereadores que fizeram uma visita “in loco” e constataram que entraves burocráticos impediriam que uma ação definitiva fosse tomada antes que o período chuvoso volte a causar estragos.

 

 

DICOM - Câmara de Vilhena